Por que você sofre? Sua dor tem um propósito? Qual o tanto de sofrimento que você experiencia? Isto é justo? É baseado em um sistema compreensível de causa e efeito, ou é simplesmente arbitrário? Você pode ser afetado pelo quanto sofre? Sim, como?

Você tem um relacionamento consciente com sua dor? Você utiliza isto para enriquecer sua vida, ou é apenas algo que você procura evitar? Quando você sofre, você considera isto como um fracasso, um embaraçamento, algo vergonhoso? Se sim, quanto da sua vida é inaceitável ou alienado de você, porque contém sofrimento?

O caminho para a felicidade e um senso de bem estar nesta fração de vida, resume-se em não evitar o sofrimento, mas usar a consciência, personificada, a experiência direta disto como um veículo para ganhar um insight profundo na natureza verdadeira da vida e a sua própria experiência.

Ao invés de ser um escravo reacionário diante da dor inevitável, frustração, stress e tristezas em sua vida, você pode libertar sua mente de uma forma que você acesse um senso de bem estar, mesmo quando o sofrimento esteja presente, e você cria a possibilidade de encontrar completamente a liberdade.

Por que não dançar com as vicissitudes constantes da vida de uma maneira que seja divertida e libertadora, ao invés de ficar se sentindo como uma vítima ou sendo afogado pelo medo e pelo stress?

Para encontrar essas atitudes e práticas de bem estar, não é necessário criar algo novo ou uma versão nova de você, uma que você apenas tem esperança de que um dia “apareça”.

Você pode começar estes passos com este “mesmo você” que existe agora-aquele que se sente perdido, com medo, raivoso, preso pelo desejo, apesar das boas intenções. Tudo do que se precisa é que você libere suas noções preconcebidas sobre o sofrimento e se abra para explorar o papel que o mesmo tem em sua vida.

Ao invés de lamentar e discorrer sobre as infinitas dores que invadem sua vida dia a dia, você pode se dar a chance de investigar seu sofrimento mais profundamente e descobrir que “estar” com a sua dor pode lhe levar à sabedoria. E, atravessando isto tudo conscientemente, você pode chegar a um estado mental “iluminado”, pois sua mente passa a experienciar as dificuldades de uma maneira bem diferente.

Você pode encontrar a liberdade por si próprio. E isto lhe confrontará com uma forma completamente nova de ser. Abrace os presentes da vida ao invés de perder-se em suas armadilhas para a infelicidade.

Mesmo sob as melhores circunstâncias, a vida é desafiadora e, na maioria das vezes, difícil. Há sempre o incerto, constantes mudanças e, tudo, na maioria das vezes, fora do seu controle. A vida levará você por onde suas intenções e sua consciência navegam.

É possível vivenciar os momentos belos e preciosos da vida, à medida que acontecem, e não estar ansioso por eles. Igualmente, você pode experienciar as dificuldades da vida sem estar alimentado por stress, angústia e sofrimento.

Você começa a viver a vida sob a luz da sua verdade, deixando passar o julgamento, a crença de que quando você sofre, você, de alguma forma, fracassa. Ao invés disto, você deseja encarar o sofrimento e vê-lo como uma oportunidade de crescimento pessoal.

Há o convite para aprender a permanecer alinhado em tempos de caos interno e externo, com seu melhor propósito, enfrentando os tumultos que surgem, observando, com consciência, a tempestade de atividades em volta.

Assim, diante do sofrimento, você decide experienciá-lo, abrindo-se e atuar pelas vias do coração. Você deixa de ser uma mera testemunha e passa a experienciar com seu corpo e com sua mente tudo o que acontece, permanecendo presente. Uma respiração por vez.